O relatório e a tecnologia

14 de setembro de 2016

whats

Com o avanço da tecnologia e do uso do celular pela grande maioria das pessoas, surge um novo meio de comunicação – o WhatsApp. Além dele, outros recursos podem ser usados através do aparelho celular: SMS, Messenger, Skype, etc.

Como você se utiliza desse meio – o WhatsApp – em suas investigações, Detetive Particular?

Alguns clientes querem acompanhar as investigações em tempo real, principalmente em casos de suspeita de traição. Isso inclui saber o passo a passo do investigado durante a campana e, até mesmo, ir ao local do flagrante quando o caso se confirma.

Você, Detetive Particular, pode usar esse meio para repassar o que está acontecendo durante a vigília. Nesse sentido, pode mandar mensagens de WhatsApp por áudio, para agilizar o registro, já que durante a campana os seus olhos devem ficar totalmente atentos ao investigado.

Um exemplo de áudio que pode ser enviado para o contratante, caso ele queira acompanhar a investigação, é:

São 14 horas e 20 minutos. Ela acabou de sair de casa.

Mas lembre-se: nem sempre é possível usar o telefone para mandar uma mensagem. Por exemplo: quando você está dirigindo, o uso do celular é muito perigoso, pois, além de correr o risco de perder o investigado de vista, você pode se envolver em um acidente de trânsito. Esse tipo de restrição deve ficar bem claro para o cliente.

Torne seu relatório mais profissional

O Microsoft Word  é um excelente programa para montar seus relatórios. Aprenda a usá-lo da melhor forma possível. Agora, caso você deseje melhorar sua capacidade de escrita e de expressão das ideias para caprichar na elaboração dos relatórios, conheça o curso de Redação do IPRol.

A importância do relatório

Mesmo que você passe para o cliente algumas informações em tempo real, muitas podem ser esquecidas por ele ao longo do tempo, pois está tomado de emoções.

Daí a importância do relatório. Nele você, Detetive Particular, deve colocar tudo o que ocorreu descrito em detalhes. Caso não queira escrever durante a campana, você pode usar um número de WhatsApp seu ou o gravador de voz (aplicativo do celular) para enviar áudios do que está acontecendo para depois transcrever. Dessa forma, você substitui o gravador convencional, que era muito usado e que ainda se vê em alguns filmes mais antigos.

Aproveite a tecnologia para o sucesso de suas investigações!

Aniversário do blog

5 de agosto de 2016

post

Neste dia 8 de agosto comemoramos, junto com você, os 8 anos de existência do nosso blog, que é uma parceria do Investig com todos os leitores: amigos, Detetives Particulares, alunos, clientes e simpatizantes dessa incrível profissão. Através dos comentários dos textos, trocamos experiências, dúvidas e sugestões.

O blog sempre procura trazer assuntos dos mais variados, de interesse do mundo da investigação. São mais de 15 diferentes categorias de assuntos abordados. Essa variedade visa a uma melhor interação com nossos leitores, que estão sempre buscando subsídios para o conhecimento dessa apaixonante profissão.

Além de trazer textos esclarecedores, o blog divulga aos leitores outros cursos (IPR, IPRol) que podem auxiliá-los em seu aprimoramento profissional.

Todo esse trabalho e essa dedicação são para você, que se empenha para que seus (futuros) clientes sejam atendidos da melhor forma e, para isso, busca conhecimento, estuda, se aprimora e interage. O blog é uma das ferramentas que o Investig disponibiliza a todos que querem conhecer ou se aprofundar na profissão de Detetive Particular.

Portanto, os parabéns hoje vão para todos aqueles que fazem parte destes 8 anos e que continuarão contribuindo para a construção e a consolidação do blog nos anos vindouros!

Novidades acerca do PLC 106/14 (regulamentação da profissão de Detetive Particular)

22 de julho de 2016

detetive

Conforme já é sabido por todos os Detetives Particulares, a regulamentação da profissão se arrasta durante anos, e muitas são as dúvidas quanto ao que pode acontecer. Atualmente, o PLC106/14, em trâmite junto ao Senado Federal, tem causado grande alvoroço entre os Detetives Particulares, em especial quanto à situação daqueles profissionais que já exercem a profissão, isso porque o referido projeto não faz, em seu texto original, qualquer tipo de menção a esses profissionais.

Em função disso foi protocolada, em 15 de junho deste ano, uma petição junto ao PLC106/14 apontando algumas lacunas existentes no referido Projeto de Lei. Dentre os pontos considerados obscuros pelo peticionante estão: os Auxiliares de Detetives; a situação dos Detetives Particulares e das Agências de Investigação já existentes; a utilização de carteiras funcionais, brasões e distintivos; a exigência de não haver condenação penal; a falta de indicação de um órgão regulador e fiscalizador da profissão. Dentre os pontos levantados, citamos três:

 

* Auxiliares de Detetives: Entende o peticionante que, pelo texto do PLC106/14, os Auxiliares de Detetives estariam sujeitos à mesma formação dos Detetives Particulares, entretanto as funções desempenhadas pelos Auxiliares seriam de menor complexidade, razão pela qual sugeriu que seja disciplinada também a profissão de Auxiliar de Detetive.

* Detetives Particulares e Agências de Investigação já existentes: Neste ponto o peticionante sugeriu que seja disciplinado sobre a situação daqueles Detetives Particulares que já atuam na profissão, referindo-se a estes como “profissionais de carreira” e citando o Projeto de Lei da Câmara 64/2014, que regulamenta a profissão de fotógrafo, em que restou estabelecido que aqueles profissionais que estiverem exercendo a profissão por no mínimo 2 (dois) anos na data de entrada em vigor da Lei  (mediante comprovação) estarão aptos a exercê-la.

* Falta de indicação de órgão regulador e fiscalizador da profissão: dentre os argumentos levantados pelo peticionante no presente item, é possível verificar os questionamentos acerca de quem irá fiscalizar os profissionais (Detetives Particulares), ou seja, quem irá verificar se as exigências impostas no PCL106/14 estão sendo cumpridas. Por fim, questiona, ainda, acerca da situação dos “sindicatos”, “conselhos”, e “associações” já existentes.

 

Além da petição já referida, no último dia 5 de julho houve o protocolo de outra petição que, por sua vez, solicitou a retirada de pauta e a suspensão da votação do PLC106/14, sob o argumento de que já existe lei que regulamenta a profissão (Lei Federal nº 3.099/57). Em suas razões, tece considerações acerca de quem serão os responsáveis pela identificação, registro e fiscalização das atividades dos Detetives Particulares e, ainda, sobre o direito adquirido daqueles profissionais que já exercem a profissão de Detetive Particular.

Assim, conforme frisamos desde o início, acreditamos que os profissionais que já desempenham a profissão de Detetive Particular serão beneficiados de alguma forma, caso o PLC106/14 seja sancionado. Entretanto, é necessário observar que podem ser solicitadas provas do efetivo exercício da profissão para que o Detetive Particular possa continuar atuando e, para isso, orientamos, desde já, que os profissionais da área forneçam recibos (timbrados) e guardem os contratos que firmarem com seus clientes (reconhecidos em cartório ou com assinatura de duas testemunhas), a fim de que seja possível a comprovação do desempenho da profissão de Detetive Particular.

Para aqueles que desejam desempenhar essa profissão cativante, temos um conselho: não percam mais tempo, matriculem-se já no Curso de Detetive Particular INVESTIG.

Dicas para se aprimorar na profissão e alcançar o sucesso

22 de junho de 2016

sucesso

Assim como qualquer outro profissional, o Detetive Particular também precisa se especializar.

Atualmente, muitas empresas oferecem cursos de capacitação para seus funcionários e, na área pública, os servidores são constantemente avaliados em cursos de aprimoramento.

Mas como fica a capacitação quando se trabalha de forma autônoma? Da mesma forma que nos demais segmentos, o profissional autônomo deve se especializar e se aprimorar, mas, nesse caso, precisa agir por conta própria.

Sabemos que, em nossos dias, a concorrência em todas as áreas se encontra muito acirrada; além disso, é disponibilizada muita informação, fazendo com que os clientes se tornem mais exigentes quando buscam um serviço.

Enfatizamos sempre que o Detetive Particular deve se aprimorar constantemente. Nesta postagem vamos dar dicas sobre a publicidade do trabalho, bem como sobre a mais importante ferramenta de trabalho: o registro fotográfico.

Como já havíamos comentado no post Como divulgar o trabalho de Detetive Particular pela internet, é importante que, dentro do possível, a publicidade do Detetive Particular seja também informatizada. Uma ferramenta muito usada hoje é o blog. Em um blog, o Detetive Particular pode relatar seus casos de sucesso (sempre usando nomes fictícios em casos verídicos), dar dicas e interagir com futuros clientes, tornando-se, assim, mais conhecido. Saber montar um blog permite que você exponha seus pensamentos, habilidades e conhecimentos. Mas como montar um blog? Não é algo complexo e você mesmo poderá fazê-lo. No Curso Como Montar um Blog, ensinamos todos os passos para que você possa montar seu blog e aproveitar essa magnífica ferramenta. Ainda se valendo da internet, você pode anunciar os seus serviços no Investig.

Outra dica importante se refere ao aprimoramento da técnica da fotografia. Você, Detetive Particular, sabe manusear corretamente uma máquina fotográfica para obter os melhores resultados (provas) com ela? Muitos casos podem ser resolvidos com boas fotografias. Ensinamos como obtê-las, nas mais variadas formas, no curso profissionalizante de Fotografia.

Detetive Particular, a hora é de se aprimorar, pois só continua no mercado de trabalho quem mais se dedica e oferece os melhores serviços!

Oportunidade de Trabalho

17 de maio de 2016

vaga

Atenção Detetives Particulares que tiverem interesse em realizar parceria. O INVESTIG recebeu uma solicitação de uma empresa que atua a 22 anos no segmento de investigações corporativa que, para atender a demanda de serviço no Brasil e no exterior, necessita de parceiros em varias regiões do Brasil.

Tem interesse? Associe-se ao site do INVESTIG e saiba mais detalhes desta proposta nas dicas do Coronel Alves.